Acabou. Lula fora do páreo!

03.08.2018

Para evitar a esculhambação do processo democrático, TSE se articula com o Ministério Público Eleitoral para barrar até o dia 23 de agosto a candidatura ilegal de Lula. A decisão já está tomada, à luz da lei da Ficha Limpa: o petista não poderá concorrer ao Planalto.

 

 

Nos últimos dias, a Justiça Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral associaram-se numa estratégia para tentar evitar o que consideram um grande risco para o País: a desmoralização do processo democrático brasileiro, com a imposição de candidaturas que, por infringir frontalmente a lei, não poderão chegar às urnas em outubro. 

 

O conceito se aplica a todos os candidatos, mas carrega em seu bojo um objetivo principal: evitar a candidatura ilegal do ex-presidente Lula, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba. O potencial de estrago de Lula é considerado maior por suas características bem peculiares. Mesmo preso, inapelavelmente condenado em duas instâncias por crime de corrupção, o petista aspira à Presidência da República.

 

Convencido de sua influência sobre o PT, da sala-cela de 15 metros quadrados, Lula segue como uma espécie de morubixaba da legenda, a orientar advogados e militantes a promover, sem qualquer pudor, chicanas das mais variadas a fim de prolongar ao máximo a aura de candidato que orbita em torno dele. A narrativa de vítima interessa politicamente a Lula e ao candidato a ser escolhido por ele. O ungido é quem irá personificá-la nas urnas.

 

É esse jogo tão óbvio quanto indecente, por flagrantemente ilegal, que o TSE quer barrar no nascedouro. Conforme apurou ISTOÉ com ao menos três integrantes da corte eleitoral, o Tribunal, com o apoio do Ministério Público Eleitoral, está convencido de que Lula não pode ser candidato. 

 

 

Sem Osmar, dá Ratinho Junior no primeiro turno

 

ESTA SEMANA

O ex-senador e pré-candidato Osmar Dias (PDT) desistiu de disputar o governo do Paraná. A informação é da rádio CBN Cascavel. Osmar pulou fora do páreo após o irmão dele, Alvaro Dias (Podemos), decidiu apoiar Ratinho Junior (PSC) ao governo do estado.

 

No Palácio Iguaçu, em Curitiba, a aposta é que Osmar saia candidato ao Senado na coligação da governadora Cida Borghetti (PP). O diabo é que o PDT, partido nacional, tem negociação bem adiantada para formar uma frente de esquerda liderada pelo senador Roberto Requião (MDB).

 

HOJE

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Publicando o impublicável desde 2011

  • Facebook Black Round
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now