Nova canalhice da Amunorpi contra campus da UENP em Cornélio Procópio é o enfraquecimento final e pode levar ao fechamento da instituição

21.11.2018

Ultima canalhice da Associação dos Municípios do Norte Pioneiro, faz baixo-assinado contra curso de medicina em Cornélio Procópio e pede fechamento do campus da UENP e sua transferência para Londrina. Nunca na história democrática deste estado um associação foi tão "bandida", anti-democrática, sem respeito com seus irmãos e vizinhos e usurpadora.

 

Depois das últimas declarações do presidente da AMUNORPI - Associação dos Municípios do Norte Pioneiro, o prefeito de Santana do Itararé, Joás Michetti que propôs a formação de uma frente de prefeitos para intimidarem o governador eleito Ratinho Junior na canalhice anunciada de prejudicar as cidades do Norte do Paraná e anular o decreto do curso de medicina recém assinado pela Governadora Cida Borghetti para a UENP de Cornélio Procópio, pode ter sido a derrocada final do enfraquecimento e fechamento da entidade.


A Amunorpi que já não vinha bem das pernas, tendo sido manchete nas páginas policiais de todo estado e país por conta de um esquema de corrupção e desvio de recursos envolvendo diretores, funcionários e  prefeitos da associação o que levou a debandada de inúmeros prefeitos e cidades do seus quadros (antes com 24 associados, hoje com apenas 14), pode ter dado mais um e definitivo tiro no pé ao propagar um discurso de ódio e preconceito contra a comunidade norte paranaense, desejando que benefícios históricos da região fossem simplesmente arrancados, prejudicando milhares de paranaenses. 


DENUNCIADA POR CORRUPÇÃO E DESVIOS PROVOCA DEBANDADA

 

Recentemente o núcleo de Santo Antônio da Platina do Gepatria (Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa), órgão do MP, ajuizou três ações civis públicas contra ex-prefeitos da região e ex-funcionários da Amunorpi por utilização, com desvio de finalidade, de diárias e passagens aéreas custeadas com recursos públicos.

 

De acordo com a denúncia, os valores pagos irregularmente, atualizados, ultrapassam a soma de R$ 750 mil. O rombo dentro da instituição, no entanto, deve ultrapassar a cifra de R$ 1,5 milhão, conforme apurou a imprensa na época.


Em desacordo com a postura e práticas da Amunorpi, um dos prefeitos que lideram a saída de outros prefeitos da associação é o de Guapirama, Pedro de Oliveira (MDB), que afirmou a reportagem da Folha de Londrina recentemente que a Amunorpi tinha por finalidade princípios antiéticos e imorais. 


Que os objetivos escusos era promover deputados estaduais e federais financiados por meio de recursos dos municípios que compõem a entidade, coordenados por uma quadrilha que envolvia ex-funcionários e ex-prefeitos da instituição. "Logo quando assumi a prefeitura, em 2013, eu percebi que existia uma quadrilha agindo dentro da Amunorpi, e junto com outro prefeito da região denunciamos o esquema criminoso ao Ministério Público. Tinha diretor-executivo e arquiteto recebendo salários de R$ 12 mil e R$ 7 mil, respectivamente, para não fazer absolutamente nada", revela Oliveira. 

Ele ainda diz que por conta da corrupção que se instalou dentro da Amunorpi, atualmente a entidade é um desastre e está sem credibilidade. "Quando ingressei na Amunorpi eu imaginava tratar-se de uma instituição séria com representatividade política municipal, estadual e federal para fortalecer o desenvolvimento socioeconômico da região, mas isso nunca existiu. Percebi então que mensalidade que pagávamos era usada para financiar um sistema de corrupção dentro da instituição, e que os interesses pessoais prevaleciam lá dentro. A Amunorpi nunca teve peso político algum, razão pela qual, muitos prefeitos, assim como eu, deixaram a associação", justifica o emedebista. 


UNIFICAÇÃO DA AMUNORPI COM A AMUNOP PODE SALVAR A ASSOCIAÇÃO


Oliveira defende a unificação entre a Amunorpi e Amunop (Associação dos Municípios do Norte do Paraná). Para ele, as associações devem unir forças para que o Norte Pioneiro consiga a representatividade política que nunca teve e o desenvolvimento almejado por todos. "É preciso bom senso! Chega de picuinhas! Exemplo dessa disputa desnecessária é a briga pela faculdade de Medicina confirmada na segunda-feira (12) para Cornélio Procópio. Precisamos de um olhar macro, em que a região seja beneficiada, algo, no entanto, ainda muito difícil de ser compreendido por muitas pessoas", critica o prefeito. 


MATÉRIA IRRESPONSÁVEL

 

Na semana passada o jornal Tribuna do Vale teve matéria desmentida sobre as ventilações de posicionamento do governador eleito Ratinho Junior (PSD) e a primeira tentativa de desmerecimento da cidade e da região multiplicada a partir dai em parceria com o prefeito de Salto de Itararé, Joás Michetti (PDT), presidente atual da AMUNORPI que segundo matéria da Tribuna do Vale,  informou que os prefeitos da região iniciam um movimento com toda a sociedade organizada, no sentido de provocar o desligamento do campus de Cornélio Procópio da UENP, sugerindo que a unidade passe a compor a Universidade Estadual de Londrina (UEL), que está mais próxima de Cornélio Procópio e culturalmente ligada.


Após este ataque inconsequente e "quase" criminoso contra o povo do Norte do Paraná, contra a instituição Amunop (pois legisla contra ela) e contra a estabilidade do município de Cornélio Procópio, varias lideranças como o prefeito de Cornélio Procópio e presidente da Amunop, Amin José Hannouche, os vereadores procopenses, autoridades eclesiásticas e representantes da sociedade em geral se posicionaram e afirmaram que responderão a altura. A AMUNORPI por conta dos seus problemas com a justiça já perdeu 10 (dez)  membros da sua associação, número que deve dobrar nos próximos dias.


PROPOSTA MALIGNA e DEBANDADA GERAL

 

 

A debandada que já "pulverizou" a associação, reduzindo seu quadro pela metade, pode ser ainda maior, pois revela que o "modos operandi" e perfil de sua gestão atual revela e repete o caráter malévolo de suas intenções egoístas e mesquinhas que para promover seus interesses não medem esfôrços em prejudicar regiões importantes para o desenvolvimento do Paraná.


Para a prefeita de Quatiguá, Adelita Moraes (PTB), deixar a Amunorpi foi uma decisão difícil, pois municípios pequenos precisam ter voz e representatividade.  

 

Segundo ela: "Infelizmente a credibilidade da Amunorpi foi colocada em xeque e não me senti representada pela instituição. Acredito que assuntos importantes que deveriam ser pautados eram ignorados, assim como a nossa representação junto ao Estado. A Amunorpi precisa ser recriada...", pondera fazendo uma critica de extinção do atual modelo. 


A mesma justificativa para a saída da Amunorpi apresentou o prefeito de Wenceslau Braz, Paulo Leonar (PDT). "Infelizmente, a comunidade de Wenceslau Braz não enxerga a Amunorpi com bons olhos em virtude dos escândalos recentes que praticamente destruíram a associação". E mesmo com tudo isso acontecendo a associação vem novamente e se manifesta na malandragem e na relação estreita de idéia que beiram ou passeiam, se não em mais uma ilegalidade, com certeza, no ápice da imoralidade pública.


FUTURO INCERTO


O futuro da Amunorpi (Associação dos Municípios do Norte Pioneiro) é incerto e poderá desenbocar no encerramento de suas atividades.  Procurado pela nossa reportagem e até mesmo por autoridades procopenses para tratarem do assunto, o prefeito Joás Michetti (PDT), não retornou os contatos. Ele é o atual presidente da Amunorpi e pode entrar para história como quem fechou de vez as portas da associação.

 

É bem provável que a AMUNOP com sede em Cornélio Procópio terá que assumir os trabalhos e resolver os deméritos da incompetência e da corrupção da sua "irmã" e limpar a sujeira moral das atitudes de uma entidade que deixou de ser referência para se transformar em réprobo da sociedade. 

 

DESESPERO, INCOMPETÊNCIA OU FALTA DE CARÁTER  

 

 

Em vez de ser um bastião da democracia, a Amunorpi que esta sendo reprovada pelos seus próprios pares, apela para um testemunho equivocado e marginal. Ela chega a fazer baixo assinado e usa de "meias verdades" e imprensa marrom para dar o ar de combativa e direita.

 

Não sei se é desespero, incompetência ou falta de caráter, talvez tudo junto, pois desde os escândalos de corrupção e desvio de recursos, que mancharam a imagem do Norte Pioneiro, ver  agora "liderança politicas" (se é que podemos chamar assim) daquela região se utilizarem da "moribunda associação" de maneira tão mesquinha e avarenta, sem respeito ao próximo, a população de Cornélio Procópio e sua mesorregião, junto do escarnio praticado contra o campus da UENP e a conquista tão trabalhada por aquele povo, denotam a morte moral da moribunda associação que a exemplo de outros "malacos" da justiça, quer esconder sua triste verdade, envolvendo o seu próprio povo em uma batalha baseadas em mentiras e em prejuízo de outros. 

 

É tão deprimente a situação da AMUNORPI que ela mesmo já se reuniu pra discutir sua fusão com a AMUNOP, o que poderia "limpar suas sujeiras" e "restaurar suas virtudes". O CURSO DE MEDICINA é resultado da competência e do trabalho de centenas de lideres e comunidade organizada. Foram anos e muitas ações. Em vez de se fecharem entre si para praticarem corrupção e desvio de recursos públicos, deveriam ao menos terem trabalhado descentemente por isso, plantado, cuidado, regado para colher este fruto e não apenas, na malandragem como agora, querendo sentar a mesa e comer do fruto e conquista de seu vizinho, pelo qual não trabalhou e não plantou. VERGONHA E REPÚDIO a políticos que insistem pelo caminho da BANDIDAGEM E CORRUPÇÃO!  

 

 


 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Publicando o impublicável desde 2011

  • Facebook Black Round
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now