Vacina produzida na Suíça pode começar a ser usada em outubro

De acordo com pesquisador da Universidade de Berna, medicamento, que passa por testes de segurança, não precisará ser aplicado anualmente....

 

Uma vacina contra o coronavírus da Suíça pode estar pronta para uso em outubro, afirmam cientistas do país que desenvolvem o medicamento no Hospital Universitário de Berna. "Esta será a primeira ou uma das primeiras vacinas" a conter a pandemia da covid-19, disse o chefe do Departamento de Imunologia do hospital, Martin Bachmann, que lidera o trabalho de pesquisa.

A vacina está agora na estágio de testes de eficácia e segurança. O especialista garantiu que existem "possibilidades reais" para iniciar uma vacinação em massa da população suíça em outubro, período muito mais curto que o de doze a dezoito meses, com base no qual especialistas e empresas do setor farmacêutico trabalham.

 

Bachmann afirmou que a pesquisa conta com a colaboração de instituições científicas do Reino Unido, Letônia e China, bem como da Universidade de Zurique.

 

A tecnologia escolhida aumenta a imunidade, o que a torna ideal para idosos, não possui contraindicações para quem sofre de doenças crônicas e é de fácil manipulação: com uma pequena quantidade de vacina podem ser produzidas milhões de doses.

 

Sobre a segurança da vacina, Bachmann afirmou: "Estamos fazendo tudo de acordo com os padrões, mas de maneira acelerada", acrescentando que são seguidas as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além disso, o especialista afirmou que a vacina contra o coronavírus provavelmente oferece proteção a longo prazo e não é necessário renová-la a cada ano, como no caso da gripe. Isso ocorre porque o Sars-Cov2 é um vírus "estável" e não foram encontrados motivos para pensar que ele seja suscetível a mutações de curto prazo.

 

A equipe de Bachmann trabalha com a Saiba, uma empresa de biotecnologia especializada em vacinas e que lida com questões regulatórias e de financiamento desse projeto, que seria realizado em parte por uma fundação da Universidade de Zurique. No processo de pesquisa e desenvolvimento, o diretor de operações da Saiba, Gary Jennings, disse que há conversas com os farmacêuticos suíços Novartis e Lonza sobre a futura produção da vacina.

 

O executivo e médico em bioquímica explicou que espera chegar a um acordo com as agências reguladoras e as autoridades suíças para realizar uma vacinação em massa. "Acreditamos que podemos chegar a um acordo com o governo suíço para tornar a vacina uma realidade rapidamente", disse ele.

 

Ele também garantiu que a equipe que trabalha no projeto está disposta a facilitar a transferência de tecnologia para que a vacina possa ser produzida em outros países a preços muito acessíveis.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Publicando o impublicável desde 2011

  • Facebook Black Round
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now